Um destino em crise. A inserção social e institucional dos estudos de História Medieval

Néri de Barros Almeida

Resumen


Após algumas décadas de forte crescimento, os estudos de história medieval no Brasil passam por uma fase particularmente positiva. Historiadores em diferentes partes do país realizam pesquisas que alcançam interlocução cada vez mais madura com ambientes tradicionais de pesquisa no exterior. As publicações locais se multiplicam e hoje é possível cobrir quase todo o espectro dos tópicos do ensino superior apenas com publicações brasileiras. A despeito disso, a antiga reputação de “área de pura erudição”, voltada para um passado superado, permanece. Essa perspectiva evidencia um isolamento que, face ao crescimento, demanda reflexão. A questão que colocamos aqui é como conciliar a erudição própria aos estudos medievais com uma comunicação social e uma inserção institucional mais significativas? Discutiremos como a escrita da história da Idade Média e seus temas podem ampliar a participação social desses estudos.

 


Palabras clave


crise, inserção institucional, inserção social.

Referencias


Almeida, Néri de Barros. A história medieval no Brasil. Revista Signum, 14, 1, 2013, p.1-16.

Almeida, Néri de Barros. L´histoire médiévale au Brésil: du parcours solitaire à l´inclusion dans le champs des sciences humaines. In: ALMEIDA, Néri de Barros; Cândido da Silva, Marcelo e Méhu, Didier. (Org.). Pourquoi étudier le Moyen Age?: Les médiévistes face aux usages sociaux du passé. Paris: Publications de la Sorbonne, 2012, v. , p. 125-144.

Almeida, Néri de Barros. Por uma "Europa cultural": cultura e política na obra de Jacques Le Goff. In: Idem (Org.). A Idade Média entre os séculos XIX e XX. Estudos de historiografia. Campinas: Editora do IFCH, 2008, p. 74-102.

Almeida, Néri de Barros; Cândido da Silva, Marcelo. Le Moyen Âge et la nouvelle histoire politique au Brésil. Mélanges de l’École française de Rome - Moyen Âge, 126-2 | 2014, consulta 06 março 2016. http://mefrm.revues.org/2070.

Anais do I Simpósio de professores de História do Ensino Superior, Marília, 1962. http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/S01.jpg.

Barthélemy, Dominique. A cavalaria: Da Germânia antiga à França do século XII. Tradução Néri de Barros Almeida e Carolina Gual da Silva, Campinas: Editora da Unicamp, 2010, p.328-341 e 467-476.

Bastos, M. J. M. ; Rust, L. D. Translatio Studii. A História Medieval no Brasil. Signum, 10, p. 163-188, 2009.

Berriel, Carlos. Tietê, Tejo, Sena. A obra de Paulo Prado. Campinas: Editora da Unicamp, 2013, p.13-14.

Bertoli, André; Rosa, Maria de Lurdes. O encontro “Portugal Medieval visto do Brasil: Diálogos entre Medievalistas Lusófonos” (Lisboa, Coimbra, Sta. Maria da Feira, 12-14 Janeiro de 2012). Medievalista online. No12, 2012.

Carvalho, José Murilo de, Dom Pedro II. São Paulo, Cia. das Letras, 2007.

Castilho, Fausto. O conceito de universidade no projeto da Unicamp. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

Duby, Georges. Guilherme Marechal ou o melhor cavaleiro do mundo. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

Flori, Jean. Guerra santa. Formação da ideia de cruzada no ocidente cristão. Tradução Ivone Benedetti, Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

Geary, Patrick. O mito das nações: a invenção do nacionalismo. São Paulo, Conrad, 2005.

Guerreau-Jalabert, Anita. Caritas y don em la sociedad medieval occidental. Hispania, 60:1, 2004, p.27-62.

Hunt, Lynn. A invenção dos direitos humanos: Uma história. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

Iogna-Prat, Dominique, Maison Dieu. Une histoire monumentale de l´Église au Moyen Age (v.800-1200). Paris: Seul, 2006.

Lawers, Michel, O nascimento do cemitério: lugares sagrados e terra dos mortos no Ocidente medieval. Tradução de Robson Murilo Grando Della Torre, Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

Macedo, José Rivair. Os estudos medievais no Brasil: tentativa de síntese. RetiMedievali Rivista, VII, 1, 2006. http://www.dssg.unifi .it/_RM/rivista/saggi/RivairMacedo.htm

Pereira, Nilton Mullet. As representações do Outro nos livros didáticos de História, no Brasil e na Espanha: uma leitura inicial. Revista Iberoamericana de Educación / Revista Ibero-americana de Educação, 50, 6, 2009.

Macmillan, Margaret, A primeira guerra mundial. Rio de Janeiro: Globo, 2014.

Rocha, Teresa Renata Silva. Ver para crer: Imagem e persuasão nos manuscritos da Légende Dorée (Jean de Vignay, sécs. XIV-XV). Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense, 2015.

Rust, Leandro Duarte. Mitos papais: política e imaginação na história. Petrópolis: Vozes, 2015.

Silva, Andreia Lopes Frazão. Os estudos medievais no Brasil e o diálogo interdisciplinar. Medievalis, Vol. 1 (2), 2013.

Silva, Leila Rodrigues; Silva, Andreia Lopes Frazão. Os estudos medievais no Brasil e a Internet: uma análise do uso dos recursos virtuais na produção medievalista (1995 a 2006). Revista História, imagem e narrativas. No 4, ano 2, abril/2007.

Southern, R. W. Medieval Humanism and Other Studies. Londres:Harper & Row, 1970.

Southern, R. W. Scholastic Humanism and the Unification of Europe, 1997 e 2001, Vol. I e II.

Southern, R. W. Western Views of Islam in the Middle Ages. Cambridge: Harvard University Press, 1962.

Teixeira, Igor Salomão. A hagiografia no Brasil: A Legenda áurea e os dez anos da tradução brasileira. In: Idem (Org.) História e historiografia sobre a hagiografia medieval. São Leopoldo: Oikos, 2014, p. 7-13

Veiga, José Eli da. Para entender o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora 34, 2015, p.9.

Vieira, Fabíola. História Medieval: Perspectivas e desafios para o ensino no 1o ano do ensino médio da E.E.B Leonor de Barros. Revista de Educação,Ciência e Cultura. v. 18, n. 1, 2013.

VVAA. L´humanisme médiéval dans les littératures romanes du XIIIe. au XIVe. Paris: Klincksieck, 1964.

Walsh, Gerald Groveland, Medieval humanism, New York: Macmillan, 1942.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Revista Chilena de Estudios Medievales